the like button " />

O declínio de testosterona a partir dos 40 anos


    À medida que os homens envelhecem, seus níveis de testosterona começam a diminuir. Esta queda costuma ser chamada de andropausa, em analogia à menopausa das mulheres.Atualmente o nome mais aceito para a andropausa é hipogonadismo masculino tardio.

O hipogonadismo masculino é uma condição na qual o testículo não produz níveis suficientes de testosterona, o hormônio que desempenha um papel fundamental no crescimento e desenvolvimento masculino durante a puberdade.

A função dos testículos e a produção de testosterona declinam progressivamente com a idade, este último em cerca de 1,3% por ano após os 40 anos. Uma proporção substancial de homens acima dos 50 anos têm níveis de testosterona baixos o suficiente para o diagnóstico de hipogonadismo. É bom salientar que uma leve deficiência de testosterona em homens de meia-idade pode ser considerado um fenômeno natural do envelhecimento. A questão é saber quando essa deficiência torna-se relevante clinicamente.

Ao contrário do hipogonadismo em bebês, crianças e adultos jovens, o declínio da testosterona em homens mais velhos não produz nenhuma consequência realmente clara. Entretanto, apesar de não haver provas inequívocas, atualmente se atribui à andropausa algumas consequências do envelhecimento no sexo masculino, entre elas:

- Redução da libido.
- Disfunção erétil
- Perda da massa óssea
- Redução da massa e da força muscular.
- Aumento do percentual de gordura corporal.
- Alterações do humor.
- Alterações da memória
- Queda da performance no trabalho

O problema é que nem todas as alterações descritas acima melhoram com a suplementação de testosterona e muitas delas podem também surgir em idosos sem critérios para andropausa.

(saiba mais)

Novas estratégias para retardar o envelhecimento

 

ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR  OS NÍVEIS DE TESTOSTERONA

 

 

EXERCÍCIOS COMPOSTOS
Use exercícios compostos. Agachamento, Supino, Remadas, Puxadores, rosca direta etc. Estes exercícios irão colocar os seus músculos com a maior quantidade de stress no ginásio e ajudará na maior produção de testosterona.

TREINE DURO
Sempre combine 100% esforço e intensidade. Se você quiser ver ganhos reais, você deve estar disposto a treinar até o seu limite no ginásio. Uma vez mais, uma maior intensidade no ginásio traduz em maior produção de testosterona.

TREINE AS PERNAS
Treine suas pernas tão duro quanto a parte superior. Um intenso treino de pernas pode estimular o crescimento em seu peito, costas e braços. Isto é devido, em parte, ao aumento da testosterona que induz o treino de pernas,principalmente com o exercício Agachamento.

TOME SOL
Tome mais sol. Pesquisas comprovam que a testosterona aumenta nesta estação. Ainda não se sabe ao certo porque a testosterona flutua deste jeito durante o verão, mas pesquisas especulam que isso se deve ao fato dos ciclos de luz e escuridão durante o dia.

REDUZA A SOJA
Reduza o consumo de soja. Proteína de soja aumenta os níveis de estrogênio (o principal hormônio feminino), e isto tem um efeito negativo direto sobre níveis de testosterona.

MENOS ALCOOL
Limite o seu consumo de álcool. O álcool tem demonstrado que têm um efeito dramático em baixar os níveis de testosterona.

MENOS STRESS
Reduza seus níveis estresse diário. Preocupações e nervosismo estimulam a liberação de “cortisol”, um hormônio altamente catabólico que fará com que seus níveis de testosterona caiam incrivelmente.

MAIS SEXO
Aumentar a sua atividade sexual. Estimulação sexual provoca a liberação de hormônio oxitocina, que causa a liberação de endorfinas naturais (químicos estabilizadores do humor) na corrente sangüínea. As endorfinas naturais liberadas após a atividade sexual, ocasionam um relaxamento intenso e um sono profundo. Isso ajuda no estimulo para aumento da testosterona.

DURMA BEM
Tenha uma boa noite de sono. A falta de sono contribui para a produção de ‘cortisol’, e isso irá diminuir seus níveis de testosterona.

 


Use QR-Code to get this permaking using your Smartphone. QR Code for O declínio de testosterona a partir dos 40 anos

Deixe o seu comentário